Cafe Republica mostra sua nova fase em ‘Caravana’

1674
4
COMPARTILHAR:

Uma das  promissoras bandas da nova geração do Rock carioca, a Cafe Republica embarcou em uma nova fase em 2017. O grupo –  formado por Octavio Peral, Anderson Ferreira “Cabs”, Barbanjo Reis, Juca Sodré e Ygor “Big” – se prepara para lançar o seu primeiro álbum com algumas novidades. A que mais chama atenção é a mudança da língua inglesa, que deu vida aos EPs Sweet Dive in Turtle’s Land (2014) e Luddere Occultant (2016), para um repertório todo em português. Uma aposta que tende ampliar o público da banda.

“A mudança veio naturalmente em busca de aproximar nossas canções da nossa realidade. Nada melhor do que nos expressarmos nas nossas músicas com a mesma linguagem do nosso dia a dia. A ampliação do público vai acontecer pelo simples fato das pessoas também se identificarem mais com essa forma de expressão”, explica o guitarrista Peral ao Som do Som.

Essa nova cara pode ser verificada nas faixas que aos poucos a banda vem revelando. Desde o final de julho já foram liberadas “Um” e “Jardim dos Olhos”, além da mais recente “Caravana“, que da nome ao disco. Canções que bebem da psicodelia brasileira setentista e circulam numa atmosfera existencial e reflexiva.

“A maior parte das letras surge a partir de questionamentos internos que nós temos e de situações que nos fazem refletir. Falar sobre o que não é totalmente compreendido nos move, e inevitavelmente isso se reflete em nossas canções de forma reflexiva e existencial. Algumas canções do disco são abstratas e tratam de dilemas comuns que qualquer ser humano passa em sua vida, como se questionar sobre a morte ou como os mistérios que nos envolvem como ser vivo”, disse Peral.

Previsto para ser lançado em outubro pelo selo Sagitta Records, Caravana tem a produção da própria banda e de Eugenio Dale. Esse é o segundo lançamento do quinteto em 2017, no começo do ano os cariocas disponibilizaram na rede o EP Interlúcido. Apesar de instrumental e ter um carater experimental, o compacto serviu de base para o disco cheio.

“Nosso próximo álbum possui a mesma lógica de produção e gravação utilizadas no nosso último trabalho Interlúcido, no qual todos participam ativamente como ouvintes uns dos outros. Como o processo foi bastante próximo, o disco de certa forma se posiciona como uma evolução ao Interlúcido com canções mais estruturadas, com os aprendizados que adquirimos durante a gravação do mesmo e com composições que nasceram quase que simultaneamente (durante a gravação do Interlúcido já estávamos trabalhando nas novas canções do próximo disco)”, revelou .

 

 

Foto: Laila Duvivier

COMPARTILHAR:

4 comments

  1. Cafe Republica libera disco de estreia – SOM DO SOM 21 outubro, 2017 at 16:37

    […] “A maior parte das letras surgiram a partir de questionamentos internos que nós temos e de situações que nos fazem refletir. Falar sobre o que não é totalmente compreendido nos move, e inevitavelmente isso se reflete em nossas canções de forma reflexiva e existencial. Algumas canções do disco são abstratas e tratam de dilemas comuns que qualquer ser humano passa em sua vida, como se questionar sobre a morte ou como os mistérios que nos envolvem como ser vivo”, disse o guitarrista Peral em entrevista ao Som do Som. […]

  2. Agnes 13 fevereiro, 2020 at 23:08

    Unquestionably believe that which you said. Your favorite reason appeared
    to be on the net the easiest thing to be aware of. I say to you, I definitely
    get irked while people consider worries that they just don’t know about.
    You managed to hit the nail upon the top and also defined
    out the whole thing without having side-effects , people can take a signal.

    Will probably be back to get more. Thanks

  3. ig 14 fevereiro, 2020 at 07:58

    I am not sure where you are getting your information,
    but great topic. I needs to spend some time learning much more or understanding more.
    Thanks for great info I was looking for this info for my mission.

Leave a reply