Conheça cinco bandas de Portugal

84
0
COMPARTILHAR:

Depois de entrevistas com as bandas Xutos & Pontapés e Orelha Negra, o rico e diversificado cenário musical português volta a ser pauta no Som do Som com a #SoundsOfTheWorld. A série traz a participação do maestro, como é conhecido, Rui Dinis, do blog A trompa, que apresenta cinco bandas independentes de Portugal que vem se destacando nos últimos anos. Conheça, ouça, curta e divirta-se com a multiplicidade sonora produzida pelos artistas indicados.

Fique por dentro também das novidades musicais de Holanda, Austrália, Espanha, Japão e Bélgica, indicadas e resenhadas por blogs e sites dos próprios países.

Grutera

Com Grutera chegou uma luminosidade que cega, que sufoca pela energia que emana a cada segundo. São reflexos de uma luz estonteante, aqueles que explodem da guitarra de Guilherme Efe, o nazareno que um dia passou a responder apenas por Grutera. São reflexos de uma dinâmica acústica sentida, difícil de imaginar saída de uma guitarra apenas. O que “Palavras Gastas” (2013) deixava antever, “O Passado Volta Sempre” (2014) confirmou, que há toda uma poesia a respirar na música de Grutera; ansiosa; vibrante.


 Sensible Soccers

Formados em 2010 e sediados em Vila do Conde, no Norte de Portugal, os Sensible Soccers estavam sem gravar algo novo, e regressaram de uma forma triunfante, com um disco que é uma rajada de ar fresco. “8″ é um disco diferente, uma enorme viagem realizada por entre um conjunto diversificado de sonoridades. Marcadamente espacial, os sintetizadores têm nesta viagem um papel importante, qual guarda de honra de uma guitarra que nunca se esconde, muito pelo contrário. “Sob Evariste Dibo” é um dos temas deste disco.


Thoes + The Shine

Na verdade, Throes + The Shine são duas bandas diferentes. Por um lado, são os stoners Throes; do outro, os kuduristas The Shine. A originalidade e verdadeira emoção está no som que pode brotar de duas tão diferentes influências. Depois de um promissor álbum de estreia, o grupo prepara-se para lançar o seu segundo disco, “Mambos de Outros Tipos”. “Dombolo” é o primeiro single do novo trabalho. Sempre com muita energia.


 Colibri 

O Colibri é uma banda de pimba lixado. São os próprios que o dizem. Felizmente, o Colibri é muito mais do que isso. E não são bem uma banda, são apenas dois, João e Giliano, mentores dos Utter e que em boa hora se viraram para a escrita em português. Em muito boa hora. O que está disponível para audição pega-se, convida-nos com facilidade ao eterno repeat. Dizem que o Colibri nasceu no Verão do ano passado, com duas guitarras na mão. É bem a prova de como com tão pouco se pode passar tanta emoção. Sim, é música de emoções.


 O Quarto Fantasma 

Sobre “A Sombra”, lá dentro, e porque se trata de um quarto fantasma, particularmente exíguo, é também de claustrofobia a sensação imperante. As esparsas palavras lusas pouco ou nada desvendam, servindo essencialmente para adensar o mistério escondido por detrás de tais incessantes e explosivos movimentos sónicos. Com rugidos de vários graus, mecânicas díspares, é bom sentir este trio lisboeta claramente comprometido com um pós-rock de intensa luminosidade psicadélica.

COMPARTILHAR:

Comentários no Facebook