Dolores 602 lança webclipe e single

1279
3
COMPARTILHAR:

Estrada, estúdio e momentos importantes e também descontraídos de uma trajetória que vem desde 2010 estão registrados no novo webclipe da banda Dolores 602, “Dolores”, que também ganha faixa inédita nas principais plataformas de streaming. A música é conhecida de fãs, pois está no repertório das apresentações que a banda tem feito em Belo Horizonte e em diversas cidades do interior de Minas Gerais.

As imagens compiladas de diversos momentos do grupo são registros feitos por profissionais do audiovisual que acompanharam a banda, como Emília Aidar, Brodagem Filmes-SP e Raquel Pinheiro – videomaker que assina a direção do clipe junto com a banda –, por amigxs e pela própria banda.

 

O quarteto mineiro bateu um papo curto, porém bem esclarecedor, com o Som do Som sobre os próximos passos da banda e o machismo no meio musical.

Vocês falam que são  ‘um coletivo de quatro compositoras e instrumentistas’ e  que o público segue ainda ‘acostumado com um cenário predominantemente masculino’. Eu acho muito importante ainda abordarmos esse assunto, pois a desconstrução é diária e sempre necessária. Vocês sinalizam que o público está acostumado com o palco masculino, e no meio musical, ainda há uma postura machista em relação a uma banda de mulheres? Como é a receptividade e tratamento dos demais profissionais do ecossistema musical quando quem sobe ao palco é uma banda feminina?

Sim, ainda existe esse pensamento majoritariamente masculinizado no meio musical. A começar pela forma de se referir: “vamos contratar um músico, um produtor”… “o guitarrista é o cara que…”, “uma banda de mulher”, etc. A desconstrução é sempre diária, sim, em cada ação e até no próprio pensamento da banda e equipe de produção. Não deve ser só atribuída ao outro. Somos todxs nós. É uma guerrilha do amor, digamos, na qual se busca uma democratização das oportunidades e, consequentemente, pluralizar a arte musical. É preciso persistir, mostrar-se, continuar a existir, apesar das dificuldades. A receptividade que encontramos depende muito do investimento que a/o contratante já fez na construção do seu próprio preconceito. Cada pessoa só é capaz de mudar a si mesmx e entendemos que este deve ser um esforço de todxs para nos tornarmos um mundo mais aberto e sermos mais ricxs de experiência humana, ao invés de nos fecharmos apenas no que entendemos como masculino.

O novo consumo musical tem se baseado cada vez mais nas novas tecnologias como canais de streamming e vídeos, assim  além do lançamento do novo disco em 2018, quais as ações futuras da banda?

O novo disco chegará no início de 2018 por vários canais de streaming e redes sociais. É inegável que essas são as ferramentas que chegam mais rápido e facilmente às pessoas que querem nos ouvir. Por outro lado, a rede social que nos faz mais feliz é o contato pessoal, então está nos nossos planos levar esse novo trabalho a várias regiões do país através de uma turnê de divulgação que será divulgada assim que o trabalho for lançado.

Foto: Raquel Pinheiro

COMPARTILHAR:

3 comments

  1. Regina 13 fevereiro, 2020 at 23:16

    Write more, thats all I have to say. Literally, it seems as
    though you relied on the video to make your point.
    You clearly know what youre talking about,
    why waste your intelligence on just posting videos to your blog when you
    could be giving us something informative to read?

  2. ig 14 fevereiro, 2020 at 05:32

    Hey there! I’ve been following your web site for a long time now and finally got the courage to
    go ahead and give you a shout out from Kingwood Texas!

    Just wanted to say keep up the excellent job!

Leave a reply