Entrevista – Djambê

580
1
COMPARTILHAR:

Segundo definição da própria banda, ‘Djambê é multiplicidade’. E foi com essa força múltipla, que a Djambê levou para Minas Gerais o prêmio da melhor grupo e ‘Vocalista Revelação’ no WebFestValda 2015.  

Em mais de uma década de trabalho, a banda vem garantindo cada vez mais seu espaço na cena musical independente. Com nova formação, atualmente o grupo está na estrada divulgando seu novo trabalho, Encruzilhadas. Lançado esse ano, o álbum está disponível para download gratuito na nossa lista de “Discos Nacionais Para Baixar 2015“.

Conversamos com Priscila Glenda (voz e sampler) e Emílio Dragão (voz) sobre o novo disco, a nova formação e, também a participação no WebFestValda 2015.

Vocês denominam o som da banda como ‘rock macumba’ e como ‘música mensagem’. Expliquem para a gente essa denominação.

O ‘rock macumba’ surgiu por causa de uma pergunta que sempre escutávamos: “o que vocês tocam?” Ao invés de ficarmos procurando sons parecidos para exemplificar, resolvemos inventar um gênero musical que nos representasse, distorcido e regado com influências afro-brasileiras. A escolha do nome também surgiu da vontade de trazer luz à essa palavra e desmistificá-la, pois, em nosso cotidiano a palavra macumba é sempre usada no sentido pejorativo, como se fosse algo ruim, quando na verdade possui outros significados, como festa ou instrumento musical. Da macumba trazemos a festa e do rock os questionamentos, no palco celebramos a consciência e a busca por ela. Nossa intenção com a música é ampliar horizontes, trazer à tona perguntas que nos fazemos e dividir com as pessoas que curtem o nosso som. Não fazemos música, somente, para entreter, fazemos música de mensagem.

Houve um hiato de quatro anos entre o primeiro disco, O mundo não é só eu (2011), e o segundo, Encruzilhadas(2015), e nesse tempo houve algumas mudanças na formação da banda. O que os novos integrantes trouxeram de diferente para as novas composições e arranjos?

O hiato foi muito bom, e necessário, para repensarmos o som que queríamos fazer com o Djambê. Com a volta do Danilo (percussão) e do Bruno (bateria), que fundaram a banda junto com o Emílio (vocal), e a entrada das três novos integrantes, o som que conseguimos em Encruzilhadas ficou o retrato coeso do nosso momento. O antigo CD já não nos representava sonoricamente e a força que queríamos para as mensagens ganhou vida. Os arranjos criados em conjunto, trouxeram uma mistura da influência musical e vivências de cada integrante e isso fez toda a diferença para as composições, que são em maioria do Emílio e duas minhas, mas a intenção é que cada vez mais integrantes apresentem canções novas, pois quase todos compõem.

Com o primeiro disco, a banda conquistou nove prêmios em Festivais da Canção, além de participação em eventos importantes em Belo Horizonte como a ‘Virada Cultural’, ‘Grito Rock’ e ‘Transborda’. E, no último mês, com o disco ‘Encruzilhadas’, vocês venceram o WebFestValda de 2015, levando para casa o prêmio de escolha do júri e melhor vocal. Como foi essa participação? Qual a ‘receita’ para o grande reconhecimento do trabalho da banda?

A participação no WebFestValda foi maravilhosa! Estar entre as 20 bandas selecionadas, dentre as 897, já foi uma alegria imensa. Fazer parte de um evento tão bem organizado, onde a produção nos tratou com o maior carinho, em contato com músicas do Brasil inteiro, podendo fazer essa troca boa de energia e ideias, já é um prêmio. Ser reconhecido pelo júri com o primeiro lugar e melhor vocal é fruto de um trabalho de mais de dez anos de estrada, não tem receita. Todos os dias seguimos nossos corações, tomando decisões que nos levaram até aquela noite de gratidão enorme na Fundição Progresso e que nos levarão muito além, pois o trabalho não para.

Depois da festa da conquista dessas premiações, o que mais a Djambê irá apresentar para o público?

Desde a nossa chegada do Rio, não paramos. Estamos fechando vários shows pelo Brasil, para levar a mensagem para o maior número possível de cidades e começando a planejar os clipes de algumas músicas do CD Encruzilhadas.

COMPARTILHAR:

Comentários no Facebook