Kid Abelha: O Favo de Mel do Pop Nacional

COMPARTILHAR:

Responsáveis por educarem sentimentalmente pelo menos três gerações, o Kid Abelha (e os Abóboras Selvagens) conseguiram a façanha de fazer música pop sem necessariamente apelar para a pobreza de letras e arranjos medíocres. Tendo na linha de frente a belíssima Paula Toller (essa mulher não fica velha, meu Deus!), emplacaram músicas de sucesso em três décadas diferentes, se tornando um dos campeões de hits radiofônicos do Brasil, afinal de contas, quem nunca ouviu uma música do Kid Abelha? Hoje vamos fazer um passeio pela obra da banda mais importante do pop nacional.

Tendo Paula Toller nos vocais, George Israel no Saxofone, Bruno Fortunato na guitarra e Leoni no baixo, além de principal compositor do grupo, o Kid Abelha & os Abóboras Selvagens lançavam em 1984 seu primeiro disco, Seu Espião. Olhando hoje para ele, parece mais uma coletânea de grandes sucessos. Apesar de execrado pela crítica especializada, afirmando que a banda jamais se consolidaria no rock nacional (parece que o jogo virou, né bebê?), o disco é recheado de músicas que são hits até hoje como “Como Eu Quero”, “Fixação”, “Pintura Íntima”, “Nada Tanto Assim”, “Porque Não Eu” e “Alice (Não Me Escreva Aquela Carta de Amor)”. No disco, temos a primeira demonstração do potencial de Leoni em compor músicas prontas para o sucesso.

No ano seguinte, vem o segundo trabalho dos Abóboras Selvagens, Educação Sentimental. Se no primeiro disco, a temática das músicas permeavam o universo adolescente, no segundo já se passeia mais pelo mundo juvenil. Assim como Seu Espião, Educação Sentimental também é uma coletânea de hits. “Lágrimas e Chuva”, “Os Outros”, “Garotos”, “Educação Sentimental 1 e 2” são algumas das músicas que compõem o disco. Ele também é o primeiro com a participação de Leoni nos vocais, nas músicas “Educação Sentimental 1” e “Conspiração Internacional” e é também seu último disco na banda.

Com o intuito de acabar com os rumores de que a banda chegaria ao fim após a saída de Leoni, é lançado em 1986 Ao Vivo. Apesar de poucas faixas, apenas nove músicas divididas em seis faixas, todas músicas tiveram novos arranjos, incluindo metais e mostrando uma qualidade na sonoridade da banda que muitas vezes, as gravações em estúdio não conseguiam mostrar fielmente. Nesse disco, o Kid regrava a música “Nada Por Mim”, parceria de Paula Toller com o vocalista d’Os Paralamas do Sucesso Herbert Vianna, gravada originalmente pela cantora Marina Lima. Um bom disco e que serviu para dizer que o Kid Abelha continuava mais vivo que nunca.

Primeiro álbum do Kid Abelha & os Abóboras Selvagens sem a participação de Leoni, Tomate é o meu preferido (se vocês perceberem, o terceiro disco de estúdio das bandas são sempre os meus favoritos). Pontapé inicial da parceria Paula-George nas composições do Kid, o disco traz arranjos mais voltados para o funk-soul americano e uma temática mais adulta nas letras, expressando bastante amadurecimento na sonoridade do grupo, mostrando que a banda estava crescendo junto com o público. “No Meio da Rua” e “Amanhã é 23” foram os grandes destaques do disco, mas sua faixa título, “Tomate”, é a que eu mais gosto. Se não for o melhor trabalho do Kid Abelha, com certeza está entre os melhores.

Agora oficialmente como Kid Abelha (sem o Abóboras Selvagens no nome), foi lançado em 1989 o disco Kid. “Dizer Não é Dizer Sim” e “Todo o Meu Ouro” foram os grandes sucessos do disco, mas gostaria de dar destaque a música “De Quem é o Poder”, uma parceria entre George Israel, Nilo Romero e Cazuza, que foi o responsável por assinar os agradecimentos do disco, feliz por ter uma de suas letras incluídas naquele disco. E é com ele que o Kid encerra sua presença na década de oitenta.

Apostando na máxima de que “em time que está ganhando não se mexe”, o Kid Abelha lançou em 1991 o disco Tudo é Permitido. Com mais uma parceria entre George Israel, Nilo Romero e Cazuza, agora como uma homenagem póstuma ao cantor que havia falecido um ano antes, “Eletricidade” é uma das poucas músicas do Kid Abelha a ser interpretada inteiramente por George Israel. “Grand’ Hotel” e “No Seu Lugar” foram os grandes sucessos do disco e vale destacar também a regravação de “Não Vou Ficar”, de Tim Maia, música responsável por revelar o cantor e compositor para o Brasil no início dos anos 70.

Lançado em 1993, Iê Iê Iê traz uma presença maior de violões na sonoridade do Kid Abelha, podendo até ser considerado um disco eletroacústico. Tendo a relação sexual como tema principal das canções do álbum, temos “Eu Tive Um Sonho”, “Deus (Apreça na Televisão)” e “Em 92”, como principais canções do disco, além de um ótimo cover da música “Smoke On The Water”, clássico de heavy metal mundial, da banda britânica Deep Purple.

O som meio desplugado influenciou para que o disco seguinte, Meio Desligado, lançado em 1995, fosse um acústico, incluindo os grandes sucessos do grupo e a regravação das músicas “Canário do Reino”, “Cristina” de Tim Maia e “Solidão Que Nada” de Cazuza, o grande sucesso do disco que até aquele momento, foi o mais vendido do Kid Abelha.

Disco de estúdio mais vendido da carreira do Kid Abelha, Meu Mundo Gira Em Torno de Você foi lançado em 1996. O grande destaque do disco é a regravação de “Na Rua, Na Chuva, Na Fazenda (Casinha de Sapê)” do cantor Hyldon, além de “Como É Que Eu Vou” e “Combinação”, mas também vale destacar a baladinha “A Moto”, não muito conhecida do grande público, mas muito boa. A faixa-título e “La Nouveauté também são ótimas músicas do disco.

Autolove foi lançado em 1998 e traz como principal hit a música “Eu Só Penso Em Você”, mas eu dou destaque para as belíssimas “Minas-São Paulo”, “Maio..”. e “3 Taças”, um homenagem ao líder da Legião Urbana, Renato Russo, falecido dois anos antes. Apesar de não estar entre os principais discos do Kid Abelha, está entre os meus favoritos e vale a pena ser ouvido pelo grande público.

Assim como a maioria das bandas do rock nacional dos anos 80, o Kid Abelha também teve seu disco de regravações. Lançado em 2000, Coleção traz músicas de Roberto Carlos, Rita Lee, Os Mutantes, Gilberto Gil entre outros, além de três músicas inéditas, “Deve Ser Amor”, “Eu Sei Voar”, gravado originalmente para o disco Autolove e “Um Momento Só”, excluída do álbum Iê Iê Iê. Diferente de outros discos do gênero, que costumam ser mais do mesmo, Coleção trouxe as músicas com arranjos totalmente novos, dando uma cara nova às canções, fazendo deste disco, de fato, uma ótima coleção.

Lançado em 2001, Surf, como o nome sugere, tem um clima praiano. “Eu Contra a Noite” foi o grande hit do disco, mas outras músicas merecem destaque como “O Rei do Salão”, “Eu Não Esqueço Nada” e a dançante “Da Lama à Pista”, além de “Solidão Bom Dia”! Uma coisa que chama a atenção é como, num universo em que as músicas rapidamente saem das programações radiofônicas, como é o caso do universo pop, o Kid Abelha conseguiu se manter sempre tendo suas músicas sendo bem executadas, não se apegando apenas aos sucessos do passado.

Falando em grandes sucessos ao longo da carreira, nada melhor do que um Acústico MTV para reunir vários num lançamento só, e o Kid Abelha lançou o seu em 2002. Trazendo músicas tanto dos discos antigos como dos mais recentes, o álbum tem a participação especial de Lenine e Edgar Scandurra e versões para as músicas “Quero Te Encontrar”, uma homenagem ao cantor Claudinho da dupla Claudinho & Buchecha, morto naquele mesmo ano, “Brasil”, parceria de Cazuza com George Israel e “Mudança de Comportamento” do paulista Ira!, aproveitando a participação especial de seu guitarrista e se quisermos nos aventurar um pouco mais, ainda tem uma versão de “Baba” da cantora Kelly Key nos extras do DVD. O grande hit desse disco foi a inédita “Nada Sei (Apnéia)”, que acabaria se tornando uma das músicas mais conhecidas do Kid Abelha. Desnecessário dizer que este foi o disco mais vendido da história a banda.

Enquanto muitos achavam que a fonte criativa do Kid Abelha já tivesse esgotada, eles apresentam ao público o disco Pega Vida, lançado em 2005. Considero esse o disco de arranjos mais maduros da carreira do grupo, fruto de uma longa estrada percorrida, com ótimas canções. Os destaques do disco são “Eu Tô Tentando”, “Poligamia” e “Por Que Eu Não Desisto de Você” (minha preferida). Também foi lançado um DVD apresentando todas as músicas do disco e algumas faixas extras e participações especiais. Este foi o último trabalho de inéditas do Kid Abelha.

Com o Multishow Ao Vivo: Kid Abelha 30 Anos, lançado em 2012, o Kid Abelha assina seu testamento definitivo dentro da música brasileira. Mais do que uma comemoração das três décadas de sucesso, esse disco, lançado também em DVD, é um passeio no tempo, trazendo lembranças para os que viveram os anos dourados da banda e apresentando sua obra para as novas gerações. Trazendo toda o seu vasto cardápio de sucessos, do passado e do presente, o Kid Abelha dá uma mostra do porque se tornou a maior banda pop do Brasil.

Após a turnê comemorativa dos 30 anos do grupo, o Kid Abelha não mais se apresentou. Embora os integrantes já tivessem dito em entrevistas que o Kid Abelha não mais faria trabalhos novos, o anúncio oficial só veio no dia 22 de abril deste ano. Um agradecimento emocionado aos fãs, postado na página oficial da banda no Facebook, silenciando assim os solos de guitarra que conquistaram todo o Brasil. Numa cena musical onde as mudanças são constantes como é o mercado pop, se manter em evidência por três décadas não é tarefa fácil, mas o Kid Abelha conseguiu essa façanha. Expressando desde as crises existenciais da adolescência aos dilemas da vida adulta, todo mundo já cantarolou uma letra ou melodia dos Abóboras Selvagens. Creio que o maior legado do Kid Abelha seja a lição de que é possível ser pop sem ser pobre de conteúdo. Dentro do pop nacional, depois do deles, os outros são os outros e só.

TOP 5

1 – Tomate (1987)
2 – Meu Mundo Gira em Torno de Você (1996)
3 – Educação Sentimental (1985)
4 – Tudo é Permitido (1991)
5 – Seu Espião (1984)

Discografia

Seu Espião (1984)
Educação Sentimental (1985)
Kid Abelha – Ao Vivo (1986)
Tomate (1987)
Kid (1989)
Tudo é Permitido (1991)
Iê Iê Iê (1993)
Meio Desligado (1995)
Meu Mundo Gira em Torno de Você (1996)
Autolove (1998)
Coleção (2000)
Surf (2001)
Acústico MTV (2002)
Pega Vida (2005)
Multishow Ao Vivo: Kid Abelha 30 Anos

COMPARTILHAR:

Comentários no Facebook